025: fim do arco-iris

É muito estranho pensar nos números dos anos e como tudo é tão futurista, em 2011, eu criança, já achava estranho dizer dois mil e onze. Tudo era igual mas falar uma coisa dessas soava distópico. Em 2011 eu ia a biblioteca pública quase toda semana e tinha uma vontade insaciavél de sempre estar fazendo algo, de estar na rua, numa aventura, de conhecer e falar e de ter 12 anos de uma vez. Bem antes disso tudo o que eu mais desejava no mundo inteiro era que minha familia se mudasse, e nossa, nem acredito que finalmente isso aconteceu. Finalmente tenho um quarto só pra mim com todas as minhas coisas (e meu deus, tenho mais coisas do que deveria ter!). 

É dia 17 de janeiro e tenho ouvido muuuuuuito The Doors. Viajei com um amigo e a familia dele pra praia em Itabiraquera/SC. Ainda tou trabalhando (aaaaaaaa!!), mas a partir dessa semana será só meio periodo pois minhas aulas retornaram e não quero mais sacrificar por essa porcaria de emprego (porém as coisas não são tão facéis).  Vou começar a ler um livro que meu amigo indicou que se chama A Morte A Morte de Quincas Berro d'Água. Queria sair pra comer naquela padaria cara e fazer um mecha verde mas odeio gastar.

Enquanto organizava o quarto com as coisas da mudança tentei me livrar de coisas que não me serviam mais. Joguei muitos desenhos antigos e papéis do ensino fundamental fora, nisso encontrei essas provas de que meus 14 anos foram os mais tristes: 

10 DE FEVEREIRO, 2016
Quarta-Feira
Um dia depois do Carnaval

Nota sobre as férias
Poderia talvez os raios atingirem diretamente meus pulmões, de tão fina é minha pele. Mas eu jamais daria essa chance a eles. Por isso passo os 90 dias em casa, jogando minhas esperanças no lixo orgânico e vendo se elas ajudariam as plantas a nascerem.


PS: foi em Maio de 2016 que comecei a escrever aqui.

Tenho um trabalho para entregar quinta. Acho que vou mostrar os trabalhos desse semestre por aqui, pressinto que esses dias serão melhores.

024: piscada

Concluí o primeiro semestre e tenho receio do que me espera. Mais uma vez é a parte do círculo onde os fogos fazem barulho e as coisas ficam mais longe do inicio. Entreguei trabalhos faltando  minutos para esgotar o tempo. Ratiei. Tirei vários As e nem sei se valeu. Quase não ouço música. Assisti Laranja Mecânica depois de anos querendo ver e é muito bom!!! Lembrar: não deixar pra depois as coisas que quero muito fazer. Só fazer de uma vez. Tirei muita muita foto e aqui são algumas delas (a partir de Setembro). 

esse mês tem muitas fotos minhas desenhando, pintando, com lápis na mão

fogaça depois que machucou a mão tocando bateria fervorosamente

eu, boba

iris com esse efeito sem querer que máquina fez, acho que é o modo festa

ma baby no halloween

hi five antes da apresentação na meg

junas, meu amigo meio uruguaio que eu não via a muuuuito tempo =

meu mano e o gato de branco

eu de pose

apresentação com a Irene, ela é do Uruguay e fala super pontunhol

mis amigos fazendo caretas

eu no banheiro limpo

xiiiiiiiiiis

riscando muro com gizesss

023: eu odeio trabalhar

eu odeio trabalhar eu odeio trabalhar eu odeio trabalhar eu odeio crescer e fazer coisas de adultos e ter responsabilidades que não me interessam e coisas sérias e unhas feitas e cabelos presos e roupas compridas eu odeio gaguejar quando vou falar algo e odeio falar algo que eu nem sei sobre que é que estou falando e não ter tempo para as coisas da universidade e para as minhas coisas e não saber dizer não e não conseguir escolher não sair e me concentrar no que tenho que fazer eu odeio ter projetos atrasados e estar por um triz e estar toda hora pensando que seria mais fácil acabar com tudo do que passar por isso tudo de novo.